Mensagens recentes

Páginas: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 [10]
91
Religiões / Porque as mulheres judias cobrem a cabeça?
« Última mensagem por Nice_Man em Novembro 11, 2017, 05:09:09 pm »
Você talvez conheça uma judia praticante e nunca tenha percebido que ela não mostra o cabelo. Apesar de não ser um requisito explícito da Bíblia hebraica, cobrir a cabeça é um costume comum entre as judias ortodoxas, principalmente devido ao status e aos princípios de modéstia e devoção religiosa.


Antecedente

Cobrir a cabeça é mais uma tradição do que uma lei, segundo o site "jewishvirtuallibrary.org". As mulheres pertencentes a correntes relativamente menos ortodoxas do judaísmo podem cobrir a cabeça apenas quando estiverem em um templo ou uma sinagoga. As mais ortodoxas quase sempre cobrem a cabeça.


Tipos

Em um local de culto, um templo ou uma sinagoga, as mulheres cobrem suas cabeças com algo pequeno, como um lenço ou um pedaço de renda (tichal). As mulheres ortodoxas podem usar uma rede ou cobrir seu cabelo com um lenço ou uma peruca (sheytel).


Significado

A modéstia é a razão principal para cobrir a cabeça. As mulheres devem se vestir de maneira modesta e isso envolve cobrir a beleza natural de seu cabelo.


Devoção religiosa

Muitas judias que normalmente não cobrem suas cabeças, o fazem durante a oração. O site "Judaism 101" menciona que, nas culturas orientais, cobrir a cabeça é um sinal de respeito e se isso for feito durante a oração, mostra-se respeito por Deus.


Status

No judaísmo tradicional, as mulheres geralmente são vistas como separadas dos homens, mas iguais. As mulheres casadas têm um papel importante na manutenção da casa e na criação da família. Quando elas cobrem a cabeça depois do casamento, estão mostrando que têm um status novo e importante.

E os homens também devem cobrir a cabeça?

Sim com a Kipá, não necessariamente o tempo todo. Porém alguns religiosos usam cobrir a cabeça sempre.

Fonte: Coisas Judaicas
92
Religiões / As razões da Bíblia ser rejeitada por muitos.
« Última mensagem por Nice_Man em Novembro 11, 2017, 05:08:03 pm »
ALGUMAS RAZÕES PELAS QUAIS OS HUMANISTAS REJEITAM A BÍBLIA

por Joseph C. Sommer

INTRODUÇÃO

Este artigo apresenta algumas razões pelas quais os Humanistas asseguram que a Bíblia não é a palavra de Deus. Os Humanistas estão convencidos de que a Bíblia foi escrita basicamente por seres humanos que viviam numa época de ignorância, superstição e crueldade. Os Humanistas também acreditam que por ter sido escrito por pessoas que viveram numa era bárbara e de pouco esclarecimento, o livro produzido contem muitas afirmativas errôneas e ensinamentos prejudiciais.
Muita crítica tem sido dirigida aos Humanistas pela posição que sustentam em relação à Bíblia. Alguns críticos da filosofia Humanista vão até ao ponto de afirmarem que os Humanistas são o próprio Mal ou agentes do Demônio. A esperança é a de que este artigo proporcione esclarecimentos quanto às reais opiniões dos Humanistas a respeito da Bíblia.


CONTRADIÇÕES

O fato da Bíblia apresentar contradições é uma das razões pelas quais os Humanistas consideram o livro como sendo de autoridade não confiável. Obviamente, se duas afirmativas na Bíblia se contradizem, pelo menos uma das afirmativas deve ser falsa. Pelo fato de que em numerosas passagens ocorrem versículos bíblicos contraditórios, deduz-se que a Bíblia contem muitas afirmativas falsas.
As contradições aparecem já no início, quando relatos sobre a criação do mundo são apresentados. Por exemplo, Gênesis, capítulo 1, diz que o primeiro homem e a primeira mulher foram feitos ao mesmo tempo, depois dos animais ("Deus criou o homem à sua imagem, à imagem de Deus ele o criou, homem e mulher ele os criou" G 1,27). No entanto, Gênesis, capítulo 2, diz que a ordem da criação foi a seguinte: homem, depois os animais e depois a mulher ("Então Deus modelou o homem com a argila do solo, insuflou em suas narinas um hálito de vida e o homem se tornou um ser vivente"G2,7 - "Deus modelou do solo todas as feras selvagens e todas as aves do céu e as levou ao homem para ver como ele as chamaria" G2,19 - "Depois da costela que tirara do homem, Deus modelou uma mulher e a trouxe ao homem" G2,22).
Em Gênesis 1, as árvores frutíferas foram criadas antes do homem, mas no capítulo 2 há a indicação de que as árvores frutíferas foram criadas depois do homem. Em G 1:20 se diz que as aves foram criadas das águas mas em G:19 se diz que as aves foram criadas do solo. Também em G 1:2-3 afirma-se que Deus criou a luz e a separou da escuridão no primeiro dia, mas G1:14-19 diz que o sol, a lua e as estrelas só foram feitos no quarto dia.

Contradições também abundam nos relatos bíblicos de um dilúvio universal. G 6:19-22 diz que Deus ordenou a Noé para trazer para a arca dois seres de cada espécie. No entanto, em G 7:2-3 há que "de todos os animais puros e das aves dos céus, tomarás sete pares, o macho e sua fêmea; dos animais que não são puros, tomarás um casal, o macho e sua fêmea". G 7:17 diz que a inundação durou quarenta dias, mas G 8:3 diz que durou cento e cinqüenta dias. G8:4 afirma que, conforme as águas desceram, a arca de Noé repousou sobre as montanhas de Ararat no sétimo dia mas no próximo versículo se afirma que o topo das montanhas não podia ser visto até o décimo mês. G 8:13 afirma que a terra estava seca no primeiro dia do primeiro mês, mas em G 8:14 se diz que a terra não estava seca até o 27º dia do segundo mês.
O Antigo Testamento também apresenta significativas contradições na história do censo realizado pelo Rei David e a subsequente punição dos Israelitas por Deus. De acordo com a história, Deus estava tão enraivecido pelo censo que ele enviou uma praga que matou setenta mil homens. Samuel II 24:1 diz que Deus é que mandou David realizar o censo (Vai, disse Deus, e fazei o recenseamento de Israel e de Judá), mas nas Crônicas I 21:1 afirma-se que David foi influenciado por Satã para realizar o censo (Satã levantou-se contra Israel e induziu Davi a fazer o recenseamento de Israel).
Além disso, há uma contradição no que diz respeito à questão sobre o castigo de Deus às crianças pelos crimes cometidos por seus pais. Em Ezequiel 18:20, o Senhor diz: "Sim, a pessoa que peca é a que morre! O filho não sofre o castigo da iniquidade do pai, como o pai não sofre o castigo da iniquidade do filho". No entanto, em Êxodos 20-5, Deus diz: "Sou um Deus ciumento, que puno a iniquidade dos pais sobre os filhos até a terceira e a quarta geração dos que me odeiam". O Antigo Testamento é contraditório sobre o comando de Deus para que os Israelitas sacrificassem animais em seu louvor. Em Jeremias 7:22, Deus diz que não mandou os Israelitas fazerem qualquer sacrifício de animais. No entanto, em Êxodos 29:38-42 e em muitas outras passagens no Pentateuco, Deus é claro quanto ao pedido para que os Israelitas sacrifiquem animais.
Passando para o Novo Testamento, há contradições quanto à genealogia de Jesus da forma como é apresentada no primeiro capítulo de Mateus e a genealogia do terceiro capítulo de Lucas. Ambas genealogias apresentam o pai de Jesus como sendo José (o que é curioso, posto que Maria teria sido fecundada pelo Espírito Santo), mas Mateus afirma que o nome do pai de José era Jacó, enquanto que Lucas diz que seu nome era Heli. Também Mateus diz que houve vinte e seis gerações entre Jesus e o Rei David mas Lucas diz que o número foi de quarenta e uma gerações. Além disso, Mateus alega que Jesus era descendente de Salomão, filho de David, mas Lucas afirma que era de Natan, outro filho de David.
Na história do nascimento de Jesus, Mateus 2:13-15 diz que José e Maria partiram para o Egito imediatamente após a vinda dos magos do oriente com seus presentes. No entanto, Lucas 2:22-40 indica que, após o nascimento de Jesus, José e Maria permaneceram em Belém durante o tempo da purificação de Maria (que era de quarenta dias, de acordo com as leis da época) e que depois levaram Jesus para Jerusalém para apresentá-lo ao Senhor e depois retornaram para sua casa em Nazaré. Lucas não menciona a jornada para o Egito ou a visita dos sábios do oriente.
Quanto à morte de Judas, Mateus 27:5 diz que Judas pegou o dinheiro que tinha obtido pela traição, atirou-o no templo, e depois foi se enforcar. No entanto, Atos 1:18 relata que Judas usou o dinheiro para comprar um terreno e que caindo de cabeça para baixo, arrebentou pelo meio, derramando-se todas as suas entranhas. Nas descrição de Jesus sendo levado para a execução, João 19:17 diz que Jesus carregou sua própria cruz. No entanto, Marcos 15:21-23 diz que um homem chamado Simão Cireneu, pai de Alexandre e de Rufo, carregou a cruz de Jesus até o local da crucificação.
Quanta à própria crucificação, Mateus 27:44 nos diz que Jesus foi insultado pelos ladrões que estavam sendo crucificados junto dele. No entanto, Lucas 23:39-43 diz que somente um dos ladrões insultou Jesus e que o outro ladrão defendeu Jesus a quem Jesus teria dito: "Hoje ainda estarás comigo no Paraíso". Quanto às últimas palavras de Jesus na cruz, Mateus 27:46 e Marcos 15:34 afirmam que Jesus gritou: "Deus, meu Deus, por que me abandonastes?". Lucas 23:46 diz que as últimas palavras de Jesus foram: "Pai, em suas mãos eu entrego meu espírito". Segundo João 19:30 as últimas palavras de Jesus, foram: "está terminado".
Há contradições inclusive nos relatos da ressurreição - o evento que é a base da religião cristã. Marcos 16:2 diz que no dia da ressurreição certas mulheres chegaram ao túmulo ao nascer do sol, mas João 20:1 diz que quando chegaram já era noite. Lucas 24:2 nos diz que o túmulo estava aberto quando as mulheres chegaram, mas Mateus 28:1-2 diz que ele estava fechado. Marcos 16:5 diz que as mulheres viram um jovem rapaz no túmulo, Lucas 24:4 diz que viram dois homens, Mateus 28:2 alega que elas viram um anjo, e João 20:11-12 afirma que elas viram dois anjos.


CRUELDADES

Os humanistas também rejeitam a Bíblia porque ela descreve e aprova os mais ultrajantes atos de extrema crueldade e injustiça jamais imaginados. Um dos princípios do nosso sistema legal - e a base legal de todas as sociedades civilizadas - é a noção de que o sofrimento do inocente é a própria essência da injustiça. No entanto, na Bíblia, vemos que Deus repetidamente viola este fundamento de princípio moral causando sofrimento a numerosas pessoas e animais inocentes.
Passagens de crueldade e injustiça praticados pelo Deus da Bíblia são vistos mesmo nos princípios básicos dos ensinamentos cristãos. Alguns atos bem conhecidos do Deus bíblico são de fato imorais por causarem o sofrimento de inocentes, tais como: ter amaldiçoado toda a humanidade e a criação devido ao ato de duas pessoas, Adão e Eva (Gênesis 3:16-23 e Romanos 5:18); Ter afogado mulheres grávidas, crianças inocentes e animais na ocasião do Dilúvio (Pereceu toda carne que se move sobre a terra - Gênesis 7:20-23); Ter atormentado os Egípcios e seus animais com pragas e doenças por ter o Faraó se recusado a deixar os Israelitas deixar o Egito (Êxodos 9:8-11,25); Ter matado crianças egípcias na época da Páscoa (No meio da noite Deus feriu todos os primogênitos na terra do Egito... e houve grande clamor no Egito por não haver casa onde não houvesse um morto); Depois do Êxodos ter ordenado aos Israelitas aniquilar sem piedade os homens, mulheres e crianças de sete nações e roubar suas terras, demolir seus altares, despedaçar seus postes sagrados e queimar seus ídolos (Deuteronomio 7:1-2); ter matado o filho do Rei David por causa do adultério de David com Betsabéia (Samuel II 12:13-18); ter solicitado a tortura e o assassinato de seu próprio filho (Romanos 3:24-25) e ter prometido enviar para o sofrimento eterno todas as pessoas que não aceitassem o Cristianismo (Revelações 21:8).
Além das injustiças e crueldades contidas em muitos dos principais ensinamentos do Cristianismo, a Bíblia apresenta numerosos outras passagens de violência que estão em completa oposição aos padrões de toda a sociedade civilizada. Dentre os mais chocantes e violentos episódios estão aqueles nos quais Deus é descrito como tendo ordenado ou sancionado a decapitação de várias pessoas, incluindo-se crianças e idosos. Alguns exemplos: Em Samuel I 15:3, o profeta Samuel dá ao Rei Saul está ordem vinda do Senhor: "Vai pois agora e investe contra Amalec condena-o ao anátema com tudo o que lhe pertence, não tenhas piedade dele, mata homens, mulheres, crianças e recém-nascidos, bois e ovelhas, camelos e jumentos." Ezequiel 9:4-7 apresenta a seguinte mensagem vinda de Deus: "Percorre a cidade, a saber Jerusalém e assinala com uma cruz a testa dos homens que estão gemendo e chorando por causa de todas as abominações que se fazem em nome dela". Ouvi que dizia aos outros: "Percorrei a cidade atrás dele e feri. Não mostreis olhar de compaixão nem poupeis ninguém. Velhos, moços, virgens, crianças e mulheres, matai-os, entregai-os ao exterminador. Mas não toqueis nenhum daqueles que trouxer o sinal da cruz".
Oséias 14 apresenta a seguinte punição: "Samaria deverá expiar, porque se revoltou contra o seu Deus. Cairão pela espada, seus filhos serão esmagados, às suas mulheres grávidas serão abertos os ventres." Deuteronomio 32:23-25 relata que depois que os Israelitas provocaram o ciúme de Deus ao adorarem outros deuses, o Senhor disse: "...vou lançar males sobre eles, e contra eles esgotar as minhas flechas! Vão ficar enfraquecidos pela fome, corroídos por febres e pestes violentas; porei o dente das feras contra eles, com veneno de serpentes do deserto... perecerão todos: o jovem e a donzela, a criança de peito e o velho encanecido."
Em Números capítulo 31, o Senhor indica sua aprovação para a ordem dada por Moisés, nos versículos 17 e 18, no que diz respeito a maneira pela qual os soldados israelitas deveriam tratar mulheres e crianças capturadas na guerra: "Matai portanto todas as crianças do sexo masculino. Matai também todas as mulheres que conheceram varão, coabitando com ele. Não conserveis com vida senão as meninas que não coabitaram com homem e elas serão vossas."
Isaías 13:9,15-18 contem esta mensagem do Senhor: "Eis o dia do Senhor que vem implacável e com ele o furor ardente da ira... Todo aquele que for encontrado será trespassado... As tuas crianças serão despedaçadas sob os seus olhos, as suas casas serão saqueadas e as suas mulheres violentadas... Os arcos prostrarão os meninos; eles não terão pena das criancinhas, os seus olhos não pouparão os filhinhos". Está claro que tais versículos apresentam o Deus bíblico como tendo os mesmos escrúpulos morais de um assassino de massas sociopata...
O Deus da Bíblia também apresenta outras tendências sádicas com diversos outros métodos para atormentar o inocente. Ele abre a terra para soterrar famílias inteiras (Números 16:27-32); lança o fogo para a destruição das pessoas (Leviticos 10:1-2; Números 11:1-2); manda animais selvagens tais como ursos (Reis II 2:23-24), leões (Reis II 17:24-25), e serpentes (Números 21:6) sobre as pessoas; autoriza a escravidão (Leviticus 25:44-46); ordena a perseguição religiosa (Deuteronomio 13:12-16); causa o canibalismo ( Eu farei que eles devorem a carne de seus filhos e a carne de suas filhas - Jeremias 19:9); e exige o sacrifício de animais como meio de expiação dos pecados de seus proprietários (Exodus 29-36).
Além de causar o sofrimento de inocentes, outro tipo de crueldade que a o Deus bíblico pratica é o de infligir castigos totalmente desproporcionais aos atos pelos quais tais castigos são aplicados. Em nosso sistema de direito atual, extrema desproporção dentre castigo e ato cometido é considerada uma violação dos direitos humanos. Alguns atos triviais são punidos com a pena de morte:
No velho Testamento, o Senhor prescreve a execução como punição para o "crime" de se trabalhar nos sábados (Exodus 31:15); por praguejar contra os pais (Levíticos 20:9); por adorar outros deuses (Deuterenômio 17:2-5); por ser um bruxo, médium ou mago (Exodus 22:18, Levíticos 20:27); por envolver-se em atos homossexuais (Levíticos 13:6-10) e não ser virgem no dia do casamento (Deuteronomio 22: 20-21). Certamente, pedir a pena de morte para tais atos é rejeitar a noção de que a severidade de um castigo deve manter alguma proporção com a ofensa praticada.
No Novo Testamento, o Deus bíblico em nada melhorou no que diz respeito à aplicação de penas severas, aumentando inclusive a sua rigidez. É difícil imaginar alguma coisa mais cruel e desproporcional do que condenar os homens ao inferno e à tortura eterna pela simples descrença de que o filho de Deus tenha nascido de uma virgem na Palestina há cerca de dois mil anos atrás, que tenha transformado água em vinho, expulsado demônios das pessoas, andado sobre as águas, que tenha sido morto pela instigação do próprio povo escolhido de Deus e que depois ressuscitasse dos mortos.
A recusa em acreditar nessa história faz com que o Deus bíblico prometa castigar os infiéis com os castigos mais horríveis que possam ser imaginados.
Um dos grandes problemas com a violência e a injustiça da Bíblia é que freqüentemente o seu exemplo tem estimulado e tem sido usado para justificar atos de crueldade de seus seguidores. Muitos tem imaginado que se Deus que é justo e bom, tenha cometido e permitido os mais brutais atos de violência, os bons cristãos nada tem a temer caso ajam da mesma forma. Este processo de raciocínio é que fez com que Thomas Paine dissesse que "A crença em um deus cruel faz um homem cruel". Um exemplo desse tipo de raciocínio é apresentado pelo historiador Joseph McCabe em seu trabalho intitulado "A História da Tortura". McCabe diz que durante a Idade Média houve mais crueldade e tortura na Europa Cristã do que em qualquer outra civilização na história. Ele demonstra que a doutrina cristã de castigo eterno foi uma das principais causas da extraordinária ocorrência de tortura na Europa medieval. McCabe descreve que a justificativa lógica para a tortura era a de que "se era natural acreditar que Deus punia os homens com o tormento eterno, certamente estaria certo se os homens punissem outros homens com doses menores desse tormento por uma causa justa."
Alguns exemplos históricos de violência e atos de injustiça incitados ou apoiados pela Bíblia seriam a Inquisição, as Cruzadas, a queima de "bruxas", as guerras religiosas na Europa, as perseguições aos Judeus, a perseguição aos homossexuais, a conversão forçada de pessoas na Europa e nas Américas, a escravidão de negros, índios e orientais, o castigo em crianças, o tratamento brutal aos mentalmente perturbados, o extermínio de cientistas e pesquisadores, o uso da tortura nos interrogatórios criminais, o chicoteamento, a mutilação e a execução violenta de pessoas condenadas por algum crime. Tais atos foram parte integrante de um mundo cristão por centenas de anos. De acordo com Thomas Paine, "a Bíblia é uma história de perversidade que tem servido para corromper e brutalizar a humanidade; e, no que me diz respeito, eu sinceramente a detesto assim como detesto tudo que seja cruel".


ENSINAMENTOS INCOMPATÍVEIS COM AS LEIS DA NATUREZA:

Outras razões que levam os Humanistas a rejeitar a Bíblia é a de que ela contem numerosas afirmativas que são incompatíveis com as leis da natureza. Os Humanistas acreditam que a propagação dessas afirmativas causaram muito mal a toda humanidade. Como resultado da observação e experiência humana, um princípio fundamental da ciência é o de que as leis da natureza não se modificam nem podem ser violadas e que sempre assim se mantêm durante todo tempo. De acordo com o paleontologista Stephen J. Gould, esta uniformidade ou constância das leis naturais, é a "suposição metodológica" que faz com que a ciência seja viável. O que Gould quer dizer de fato é que sem essa suposição não haveria benefício em se estudar o mundo, fazer experimentos ou se aprender com a experiência. Tais atividades não teriam sentido em um mundo que não agisse de acordo com os leis naturais. Em tal mundo, o conhecimento de situações passadas não proporcionaria indicativo seguro sobre o que poderia acontecer em situações semelhantes no futuro. Haveria sempre a possibilidade de ocorrência de forças arbitrárias sobrenaturais interferindo nos eventos para alterar o fluxo natural previsto pela experiência anterior.
Em nosso mundo, a evidencia é clara de que os fatos ocorrem de acordo com leis naturais que são imutáveis. Como resultado, o conhecimento das leis operacionais de funcionamento da natureza aumenta nossa capacidade de predizer eventos futuros e nos adaptarmos ao curso de tais eventos. Os ensinamentos bíblicos são, entretanto, diametralmente opostos aos princípios científicos fundamentais da uniformidade operacional das leis da natureza. Consequentemente, a crença na Bíblia é incompatível com a visão científica e tem servido como um fator de desencorajamento ao desenvolvimento de uma abordagem científica na solução de problemas.
Na Bíblia, há histórias fabulosas de cobras falantes (Gênesis 3:4-5); uma árvore com frutos que quando comidos proporcionam o conhecimento do bem e do mal (Gênesis 2:17;3:5-7); outra árvore cujos frutos dão a imortalidade (Gênesis 3:22); uma voz vinda de um arbusto em chamas (Êxodos 3:4); um jumento falante (Números 22:28); rodas que se transformam em serpentes (Êxodos 7:10-12); água se transformando em sangue (Êxodos 7:19-22); água nascendo da pedra (Números 20:11); um defunto que renasce quando seu corpo toca os ossos de um profeta (Reis II 13:21); pessoas ressuscitando dos mortos (Reis I 17:21-22; Reis II 4:32-35; Atos 9:37-40).
Há também relatos do Sol parando (Jó 10:13); a divisão do mar (Êxodos 14:21-22); ferro flutuando (Reis II 6:5-6); a sombra retrocedendo dez degraus (Reis II 20:9-11); uma bruxa trazendo a alma de Samuel de volta do mundo dos mortos (Samuel I 28:3-15); dedos sem um corpo escrevendo num muro (Daniel 5:5); um homem que viveu por três dias e três noites no estômago de um peixe (Jonas 1:17); pessoas andando sobre as águas (Mateus 14:26-29); uma virgem fecundada por Deus (Mateus 1:20); a cegueira curada por cuspe (Marcos 8:23-25); uma piscina que curava os que nela mergulhassem (João 5:2-4) e anjos e demônios interferindo nos assuntos terrestres (Atos 5:17-20; Lucas 11:24-26).
É claro que tais histórias não estão de acordo com as leis da natureza. Estas fábulas bíblicas servem para manter a idéia primitiva de que freqüentemente forças sobrenaturais podem intervir em nosso mundo. Presumivelmente, os autores de tais histórias ou mentiram ou foram desonestos quando relataram essas histórias. Quando examinados à luz da experiência e da razão, tais suspensões das leis da natureza carecem de credibilidade. Nossa experiência demonstra que o mundo se comporta de acordo com princípios de regularidade que nunca são alterados. Uma terrível conseqüência na crença de que forças sobrenaturais interferem nos afazeres terrestres tem sido a de pessoas que freqüentemente desviam suas energias na tentativa de buscar no sobrenatural a solução de problemas de nosso mundo. Ao invés de estudar o mundo natural para descobrir fatos que possam ser usados para o desenvolvimento de soluções científicas, tais pessoas se engajam em atividades religiosas no esforço de obter ajuda de forças sobrenaturais ou para impedir a influência de forças supostamente malignas em suas vidas.
Um exemplo de tal desvio de energias pode ser visto na história das tentativas de prevenir a ocorrência e a disseminação de doenças na Europa. O historiador Andrew White diz que, durante muitos séculos na Idade Média, a imundície das cidades européias sempre causou grandes pestilências que levaram multidões para os túmulos. Baseado nos ensinamentos da Bíblia, os teólogos cristãos durante séculos acreditavam que tais pestes eram causadas não por falta de higiene, mas pela ira de Deus ou pelas maldades de Satã.
Devido a crença nas causas espirituais das doenças, os teólogos ensinavam as pessoas que as pragas poderiam ser evitadas ou aliviadas por atos religiosos, tais com arrependimento dos pecados, doação de presentes para as igrejas e monastérios, participação em procissões religiosas e comparecimento aos encontros nas igrejas (o que certamente somente servia para espalhar ainda mais as doenças). A possibilidade de causas físicas para a existência e cura das doenças sempre foi ignorada pelos religiosos.
Andrew White diz que, a despeito de todas as rezas, rituais e outras atividades religiosas, a freqüência e o rigor das pragas não diminuiu até que a higiene científica começasse a se tornar presente. Falando das melhorias higiênicas que ocorreram na metade do século XIX, White diz que "as autoridades sanitárias conseguiram em meio século fazer mais pela redução da doença do que tinha sido feito em 1500 anos por todas as feitiçarias que os religiosos tentaram realizar."


ENSINAMENTOS INCONSISTENTES COM A ESTRUTURA FÍSICA DO MUNDO:

Uma razão adicional pela qual os Humanistas rejeitam a Bíblia é a de que ela contem muitos ensinamentos que são contrários ao que a ciência descobriu como sendo a estrutura física do mundo.
Um exemplo clássico sobre os ensinamentos incorretos da Bíblia pode ser visto na oposição dos religiosos cristãos aos argumentos de Galileu sobre os argumentos da doutrina de Copérnico quanto ao duplo movimento terrestre. No século XVI, Copérnico apresentou a idéia de que a Terra girava em torno de si e do Sol, e no século seguinte o telescópio de Galileu proporcionou evidencias seguras de que Copérnico estava certo. Em oposição à doutrina de Copérnico e na tentativa de demonstrar que a Terra permanecia estável enquanto o Sol se move em seu redor, a Igreja católica se referiu ao décimo capítulo do livro de Jó. Lá somos informados que Jó conseguira que o Sol, e não a Terra, permanecesse parado para que o dia fosse mais longo e assim pudesse cumprir sua missão na batalha contra os Amoritas.
Outras passagens demonstram que os escritores da Bíblia pensavam que a Terra era fixa: Salmos 93:1 (O Mundo não pode ser movido), Crônicas 16:30 e Salmos 104:5 (O Senhor fixou as fundações da Terra de forma que jamais pudesse ser movida).
Por causa dos pontos de vista de Galileu sobre a doutrina de Copérnico, a Inquisição o torturou, forçando-o a desmentir suas afirmativas e condenou-o à prisão. Além disso, baseado nos ensinamentos da Bíblia, por quase duzentos anos, o Índex dos Livros Proibidos da Igreja Católica condenaram todos os escritos que afirmassem a idéia do duplo movimento terrestre. Além disso, por gerações, as principais correntes da Igreja Protestante - Luteranos, Calvinistas e Anglicanos - denunciaram a doutrina de Copérnico como sendo contrária às escrituras.
A Bíblia também contem erros grosseiros quando sustenta a idéia da Terra ser plana. No sexto século, um monge cristão chamado Cosmas escreveu um livro intitulado Topographia Christiana no qual ele descrevia a estrutura do mundo físico. Cosmas baseou suas conclusões nos ensinamentos da Bíblia e sustentava que a Terra era plana, cercada por quatro mares.
Uma das razões para a crença de Cosmas numa terra plana era a afirmativa bíblica do livro das Revelações 1:7 de que, quando Cristo retornasse, "todos os olhos o iriam ver". Cosmas concluiu que se a Terra fosse redonda ao invés de plana, as pessoas que estivessem do outro lado não poderiam presenciar a Segunda vinda de Cristo...
Outros apoios bíblicos para a idéia da terra plana podem ser encontrados em Isaías 11:12 (ao falar dos quatro cantos da Terra) e em Jeremias 16:19 e Atos 13:47 (final da Terra).
Como conseqüência de tais ensinamentos bíblicos, a maioria dos antigos padres acreditavam que a terra era plana. O pensamento de Cosmas também foi considerado por muito tempo como parte da doutrina da Igreja Ortodoxa. Consequentemente, quando Cristóvão Colombo propôs, no século XV, a idéia de partir do leste da Espanha para chegar as Índias pelo lado oeste, a noção da Terra Plana foi um dos principais motivos de oposição ao empreendimento.
A Bíblia também apresenta a idéia do céu como uma abóbada solida. Em Gênesis 17 o Senhor coloca o Sol e a Lua "no firmamento" para que houvesse luz sobre a Terra. A palavra em Hebreu traduzida como "firmamento" é "raqia", que significa "metal batido". Por essa razão, a Igreja levou muito tempo aceitando a idéia do "firmamento". Tal idéia também foi aceita por Cosmas e consequentemente tornou-se parte da doutrina ortodoxa da Igreja por diversos séculos.
Dentro dessa doutrina estava a idéia ingênua de que havia janelas no firmamento que eram abertas por anjos sempre que Deus desejasse fazer chover na Terra. Cosmas acreditava que quando tais janelas eram abertas, uma porção das águas contidas acima do "firmamento", conforme mencionadas em Gênesis 1:17, caiam sobre a Terra. A base de Cosmas para esse ponto de vista era a afirmativa de Gênesis 7:11-12, de que no tempo do dilúvio, "as janelas dos céus foram abertas" caindo assim a chuva sobre a Terra.
A Bíblia também afirma que a Terra repousa sobre pilares. Os "pilares" da Terra são mencionados em diversos versículos do Velho Testamento (Samuel I 2:8, Salmos 75:3, Jó 9:6). Tais passagens, na verdade, são um reflexo da crença dos antigos Hebreus de que a Terra se sustentava sobre pilares.
Além disso, a Bíblia contradiz a ciência médica ao declarar que as doenças e outros males físicos resultam de agentes sobrenaturais, tais como atividades demoníacas, ao invés de causas físicas. Ao descrever as curas de Jesus, o Novo Testamento afirma que os seguintes fatos teriam sido produzidos por demônios: cegos (Mateus 12:22), mudos (Mateus 9:32-33), aleijado (Lucas 13:11,16), epilepsia (Mateus 17:14-18) e insanidade (Marcos 5:1-13).
Como conseqüência, os líderes da Igreja geralmente desencorajavam o ponto de vista de que a doença pudesse ser causada por processos naturais e apoiavam a idéia de agentes demoníacos como principais causas dos males. Por exemplo, Santo Agostinho, cujas idéias fortemente influenciaram o pensamento ocidental por mais de um milênio, disse no século IV: "Todas as doenças dos cristãos devem ser atribuídas a estes demônios..." Mesmo com o surgimento da Reforma Protestante no século XVI, não houve muita mudança na atitude da Igreja quanto à origem das doenças. Martinho Lutero sempre atribuía sua própria doença à "praga do diabo" e ensinava que: "Satã produz todos os males que afligem a humanidade, pois ele é o príncipe da morte".
A Bíblia também contem versículos que mencionam dragões (Jeremias 51:34), Unicórnios (Isaías 34:7) e outros animais fabulosos (Isaías 11:8). Com base nestes versos, muitos naturalistas da Idade Média acreditavam que essas criaturas míticas de fato existiram.
Além disso, por séculos, e ainda hoje em muitos lugares, os versículos bíblicos levaram o mundo cristão a acreditar que os cometas são enviados de Deus para prevenir a humanidade de sua ira divina e castigo iminente; que o surgimento de estrelas e meteoros são presságios benéficos de eventos tais como o nascimento de heróis e grandes homens; que os eclipses significam a divina tristeza devido a fatos terrestres; que os temporais e todos os fenômenos meteorológicos desagradáveis são causados pela ira de Deus ou pela fúria de Satã; e que, mesmo que a Terra seja redonda, as pessoas ainda assim não vivem "do outro lado."
A Bíblia também não está cientificamente correta quanto diz que o morcego é um pássaro (Levíticos 11:13,19), que o coelho e a lebre ruminam (Levíticos 11:5-6), e que a semente de mostarda "é a menor de todas as sementes"(Mateus 13:32). Também é inconsistente com a ciência e de fato absurdo assegurar que Deus tenha confundido as línguas dos seres humanos por ele temer que os homens unidos pudessem construir uma torre alta o suficiente para atingir o Céu (Gênesis 11:1-9).
O efeito de se buscar na Bíblia idéias a respeito da estrutura do mundo físico foi bem resumida pelo historiador Andrew White. Ele diz que "desenvolveu-se em todos os campos pontos de vista teológicos sobre a ciência que nunca levaram para uma verdade sequer e que, sem exceção, forçaram a humanidade a se distanciar da verdade causando por séculos o afundamento do mundo cristão num abismo de erros e infortúnios."
Face às numerosas afirmativas incorretas concernentes à estrutura do mundo físico contidas na Bíblia, parece não haver razão para se acreditar que os escritores bíblicos estivessem mais corretos quando escreviam sobre coisas invisíveis. Cometendo tantos erros sobre o universo observável, a Bíblia não pode ser considerada como um guia totalmente confiável quando trata de assuntos espirituais e questões de fundo ético.


PROFECIAS NÃO REALIZADAS

Também, em confirmação à posição dos Humanistas sobre a Bíblia, há o fato de que ela contem profecias que comprovadamente falsas. A não ocorrência de eventos biblicamente profetizados, constitui prova clara de que a Bíblia não é infalível.
A Bíblia mesmo é que apresenta um teste para determinar se uma profecia foi inspirada por Deus. Deuteronomio 18:22 diz: "Quando o tal profeta falar em nome do Senhor, e tal palavra se não cumprir, nem suceder assim, esta é palavra que o Senhor não falou; com soberba a falou tal profeta, não tenhas temor dele." Ao aplicar esse mesmo teste na Bíblia, nós percebemos que ela contem afirmativas que não foram inspiradas por Deus.
Em Gênesis 2:17, o Senhor teria advertido Adão e Eva sobre o fruto que havia na árvore do conhecimento: "Mas da árvore da ciência do bem e do mal, dela não comerás; porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás". Porém em Gênesis, no capítulo 3, somos informados de que Adão e Eva comeram do fruto proibido e não morreram no dia em que assim agiram.
Gênesis 35:10 informa que Deus disse a Jacó: "O teu nome é Jacó; não se chamará mais o teu nome Jacó, mas Israel será o teu nome. E chamou o seu nome Israel". No entanto, 11 capítulos depois, em Gênesis 46:2 lemos "E falou Deus a Israel em visões de noite, e disse: Jacó, Jacó! E ele disse: Eis-me aqui."
Em II Crônicas 1:12 há que Deus disse a Salomão: "Sabedoria e conhecimento te são dados; e te darei riquezas, e fazenda, e honra, qual nenhum rei antes de ti leve, e depois de ti tal não haverá." Como o grande agnóstico Robert Ingersoll disse no século XIX, houve diversos reis na época de Salomão que poderiam jogar fora todo o reinado de Salomão (Palestina) sem perder muito com isso. Podemos acrescentar que a riqueza de Salomão é pequena comparada aos padrões atuais e sempre foi superada por muitos reis que reinaram depois dele.
Alguns exemplos de outras profecias não realizadas no Velho Testamento incluem: Os Judeus irão ocupar a terra do rio Nilo até o rio Eufrates (Gen. 15:18); eles nunca perderão suas terras e nunca mais serão perturbados (Samuel II 7:10); A casa e o reinado de David durarão para sempre; nenhuma pessoa incircuncisada nem imunda entrará em Jerusalém (Isaías 52:1); Damasco seria reduzida a um montão de ruínas (Isaías 17:1); as águas do Egito iriam secar (Isaías 19:5-7).
Aplicando ao Novo Testamento o mesmo teste bíblico para identificação de falsos profetas, somos forçados a concluir que o próprio Jesus fez declarações não inspiradas por Deus. Por exemplo, as profecias de Jesus a respeito da época em que o mundo iria terminar são claramente incorretas. Em Mateus 16:28, Jesus diz a seus discípulos: "... que alguns há, dos que aqui estão, que não provarão a morte até que vejam vir o Filho do homem no seu reino". Obviamente, as pessoas que estavam lá já morreram todas e nenhuma delas viu Jesus retornar para fundar o seu reinado.
Além disso, em Marcos 13:24-30, Jesus teria listado uma série de signos que deveriam acompanhar o fim do mundo, incluindo o escurecimento do sol, a lua não "dando" mais luz, as estrelas caindo, o filho do homem nas nuvens com grande poder e glória e a presença de anjos. No versículo 30, Jesus diz: "Não passará esta geração, sem que todas estas coisas aconteçam." Aquela geração passou há muito tempo e os acontecimentos previstos não ocorreram.
A análise do Novo Testamento também revela que Jesus estava incorreto na sua previsão no que dizia respeito a quantidade de tempo em que ele ficaria na tumba. Em Mateus 12:40, Jesus diz: "Pois como Jonas esteve três dias e três noites no ventre da baleia, assim estará o Filho do homem três dias e três noites no seio da terra." Porém, Marcos 15:42-45 diz que Jesus morreu na tarde do dia antes do Sábado (ou seja na Sexta-feira) e Marcos 16:9 e Mateus 28:1 nos dizem que Jesus saiu da tumba no Sábado à noite ou no Domingo pela manhã. De Sexta a Domingo pela manhã não há como se contar três dias e três noites.
Para dar mais um exemplo do Novo Testamento, Jesus diz em João 14:13-14 que: "E tudo o que pedires em meu nome eu o farei, para que o Pai seja glorificado no Filho. Se pedirdes alguma coisa em meu nome, eu o farei." Em milhões de situações tais solicitações foram feitas e não foram atendidas. Como um único exemplo, basta lembrar o assassinato do Senador Robert F. Kennedy. Durante horas, logo após ter sido ferido, milhões de pessoas rezaram em nome de Jesus pela recuperação do Senador Kennedy. Se já houve um teste para a força da oração cristã, esse foi um de fato. Todos sabemos o resultado. Contrariamente ao que estava mencionado na Bíblia, o pedido não foi atendido. Assim ocorrem com outras profecias mencionadas na Bíblia. A existência de incorretas profecias colocam em dúvida a veracidade dos ensinamentos bíblicos. Se um versículo na Bíblia está errado, é bem possível que outros versículos estejam errados também.


AFIRMATIVAS INCORRETAS SOBRE A HISTÓRIA

Mais uma razão para a rejeição da Bíblia pelos humanistas é a de que ela contem afirmativas incorretas a respeito da história. As pesquisas de historiadores e outros estudiosos indicam que muitas afirmativas na Bíblia são historicamente incorretas.
A respeito do Velho Testamento os historiadores determinaram que a história de um dilúvio universal não passa de um mito. Por exemplo, Andrew White aponta que o Egito tinha uma próspera civilização muito antes do dilúvio bíblico de Noé e que nenhum dilúvio chegou a interrompe-la.
O livro de Êxodos nos fala de uma fuga dos escravos israelitas do Egito mas os historiadores e os arqueólogos jamais conseguiram confirmar nada sobre esse fato. Nenhum registro egípcio se refere ao Moisés bíblico ou às pragas devastadoras que Deus supostamente teria infligido ao país ou à fuga dos escravos hebreus ou ao afogamento do exército egípcio. Além disso, White relata que os registros contidos nos monumentos egípcios demonstram que o faraó que reinava na época da suposta fuga dos judeus jamais se afogou no Mar Vermelho.
O livro de Esther fala de como uma jovem judia chamada Esther foi escolhida pelo Rei persa Xerxes I para ser a rainha depois do rei ter se divorciado da rainha Vashti. Embora os historiadores saibam uma grande quantidade de fatos sobre Xerxes I, não há registro de que ele tivesse uma rainha judia chamada Esther ou de que tenha sido casado com Vashti.
Além disso, o livro de Esther afirma que o império persa foi dividido em cento e vinte e sete províncias mas os historiadores nos dizem que nunca houve tal divisão do império. Também, ao contrário do que é dito no livro, Xerxes I não ordenou aos judeus em seu território que atacassem seus súditos persas.
O livro de Daniel contem o relato de certos eventos que supostamente ocorreram durante a permanência dos judeus na Babilônia. No quinto capítulo do livro, somos informados de que o rei Nabucodonosor foi sucedido no trono pelo seu filho Belsasar. No entanto, os historiadores nos dizem que Belsazar não era filho de Nabucodonosor e nunca foi rei. O livro também nos fala de um "Dario, o Medo", capturou a Babilônia no sexto século. A história nos diz que foi Ciro da Pérsia que tomou a Babilônia.
Passando para o Novo Testamento, o segundo capítulo do livro de Lucas diz que, pouco antes do nascimento de Jesus, o imperador Augusto ordenara um censo a ser realizado em todo o mundo romano. Lucas nos diz que todas as pessoas tinham que viajar para a terra dos seus ancestrais com o objetivo de fazer esse censo. Ele indica que tal censo teria sido a razão que levou José e Maria a viajar de Nazaré até Belém, onde Jesus teria nascido.
No livro intitulado, "Ficções Apostólicas", Randal Helms diz que tal censo jamais foi realizado na história do Império Romano. Ele também diz que é ridículo se pensar que os romanos tão práticos fossem solicitar a milhões de pessoas a viajar distancias enormes até as cidades de seus já falecidos progenitores, meramente para assinar um formulário de registro.
O terceiro capítulo de Lucas contem uma genealogia que traça os ancestrais de Jesus em 76 gerações até chegar a Adão, que, de acordo com Gênesis, capítulo 1, foi criado juntamente com o restante do universo durante o transcorrer de uma semana. A Bíblia, dessa forma, sustenta a idéia de que a história da raça humana, bem como a de todo o universo, se estende por um período relativamente curto de tempo, não mais do que alguns milhares de anos. De fato, considerando-se os ensinamentos bíblicos, tais como os de Lucas, capítulo 3, durante muitos séculos a posição Cristã ortodoxa era a de que toda a Criação ocorrera dentre 4 a 6 mil anos antes do nascimento de Cristo. A ciência apresenta hoje números bastante diferentes...
O segundo capítulo do livro de Mateus diz que logo após o nascimento de Jesus, o rei Herodes teria ordenado o massacre de todos as crianças do sexo masculino até dois anos de idade em Belém e suas vizinhanças. No livro de Lucas, o qual contem a única outra história do nascimento de Jesus, não há qualquer menção de tal ordem tão cruel. Tal acontecimento não é também mencionado em nenhum dos registros da época. Tem-se a impressão de que a história de Mateus foi inventada.
Mateus 27:45 diz que enquanto Jesus estava na cruz, caiu sobre a terra uma escuridão que durou do meio-dia até as três horas da tarde. Andrew White diz que observadores romanos tais como Sêneca e Plínio embora tivessem descrito ocorrências muito menos significativas em regiões mais remotas, não fazem qualquer menção a esse fato em particular.
Outro fato marcante, é que Josephus, o melhor historiador judeu do primeiro século, jamais disse nada sobre a vida e a morte de Jesus; nada sobre o infanticídio cometido por Herodes; nenhuma palavra sobre a estrela que apareceu nos céus quando do nascimento de Jesus; nada sobre a escuridão que se abateu sobre a terra; nada sobre a centena de túmulos que se abriram e da multidão de judeus que se levantaram dos mortos e visitaram a cidade sagrada. Na verdade, nenhum historiador da época jamais mencionou tais prodígios.


CONCLUSÃO

Em resumo, os humanistas rejeitam a Bíblia porque ela contem contradições, crueldades, afirmativas completamente inconsistentes com as leis da natureza, afirmativas incorretas sobre a estrutura do mundo físico, profecias incorretas e diversos erros históricos. Outros problemas também poderiam ser citados, tais como não sabermos quem escreveu a maior parte de seus livros, o fato de que tenha sido escrita muitos anos depois da ocorrência dos fatos, suas muitas passagens obscenas, sua promessa de salvação para os ignorantes e os crédulos e a condenação à tortura eterna para os cépticos e os investigadores que proporcionaram infinitos benefícios à raça humana.
Todos esses problemas e muitos outros constituem clara evidencia de que a Bíblia não é a palavra de Deus. Ao invés de ser infalível, a Bíblia tem muito mais afirmativas incorretas e ensinamentos imorais do que na maioria de outros livros. Como resultado de se tratar um livro assim tão cheio de erros como sendo infalível, a civilização ocidental foi levada ao erro e à miséria através da história. Além disso, podemos concluir que, no mundo atual, a influência dos ensinamentos bíblicos no campo político pode resultar - e, na opinião de certas pessoas, certamente resulta - na continuidade de um grande número de procedimentos socialmente prejudiciais e uma oposição às propostas progressivas de melhoria social.
Além disso, percebemos através da mídia que os versículos bíblicos ainda levam alguns cristãos a cometer atos bizarros e prejudiciais tais como espancar as crianças, não aceitar tratamento médico, tomar veneno, cortar as mãos ou os pés, arrancar os olhos, violentamente tentar arrancar do corpo demônios, afastamento dos afazeres comuns ao nosso mundo, renúncia aos prazeres da vida e a expectativa de um final iminente do mundo.
Por a Bíblia conter tantas afirmativa incorretas e ensinamentos pouco éticos e por ter causado e continuar causando numerosos erros e tantos prejuízos, nós rejeitamos a proposta daqueles que nos exortam a buscar na Bíblia as respostas para nossos problemas pessoais, sociais e políticos.
O que tem permitido à humanidade corrigir muitas das falsas idéias que a Bíblia nos dá sobre o mundo tem sido a aplicação de uma abordagem científica à solução de problemas. Tal abordagem envolve a confiança na observação, experiência, lógica e empatia do ser humano, muito mais do que uma cega aceitação de dogmas religiosos seculares.
Quando os resultados obtidos com os métodos científicos são vistos em confronto com as idéias incorretas contidas na Bíblia e com os prejuízos causados por tais idéias, fica bem claro que somos muito mais bem guiados pela razão e compaixão humana do que pelos ensinamentos da Bíblia.
Joseph C. Sommer

FONTE: Você não tem permissão para ver links. Regista te ou Entra
93
Assuntos Espirituais (Geral) / Hoje, dia 11 de novembro – 11/11 grande portal energético
« Última mensagem por Bruno em Novembro 11, 2017, 12:56:42 pm »
Mensagem de Novembro 2017

A energia que estamos experimentando ultimamente é muito intensa e diferente daquela que já vimos antes. Tem a ver com onde estamos na galáxia. Estamos recebendo códigos de diferentes locais, especialmente do Grande Sol Central. Já começamos a sentir as energias do portal 11:11. Este portal será particularmente poderoso, pois será como um empurrão gigante para que todos despertem e liberem completamente os laços que os mantêm presos. Ele continuará a ser intenso enquanto entramos nas energias finais do ano.

Para muitos, os sintomas da ascensão aumentaram. Isto é devido às energias que estão entrando e mudando o nosso ADN. À medida que passamos de uma forma baseada em carbono para uma cristalina, toda a densidade deve ser liberada para que possamos avançar neste processo.

Não é apenas a densidade física, mas também a densidade que nos bloqueia em uma realidade limitada, como nossos sistemas de crença, padrões de abnegação e vitimização. São as áreas em que não nos perdoamos nem nos amamos completamente. São as áreas em que julgamos os outro ou nós mesmos. Devemos decidir que queremos estar AQUI na Terra durante este tempo maravilhoso. Devemos decidir com cada átomo do nosso ser que queremos VIVER este momento.

Para navegar nestas energias não precisamos ser perfeitos. No entanto, temos que trabalhar ativamente para liberar tudo o que não nos serve mais. Alguns de vocês podem sentir como se tivessem retrocedido recentemente. Apesar de doloroso, isto desempenha um papel importante. Quando nos sentimos mergulhar nas frequências mais baixas, é um forte contraste com quando nos sentimos limpos e cheios de amor. Permita que este contraste o impulsione ainda mais em sua busca para encarnar o seu EU das dimensões superiores. Não podemos mais ficar encima do muro, devemos escolher onde queremos estar e trabalhar para manter essa frequência.

Como o Corpo Está Lidando Com as Energias
O corpo está definitivamente respondendo aos novos códigos que estão chegando. O crânio está mudando, o que pode resultar em dores no ouvido, têmpora e pressão na cavidade sinusal. Os dentes doem e mudam conforme liberam a programação antiga. A espinha está se atualizando e ajudando a nos desconectarmos de uma realidade e nos ancorarmos de forma segura em outra. À medida que o corpo se torna mais cristalino, podem surgir fortes coceiras e flutuações de temperatura. O corpo pode perder minerais essenciais durante estas fases de alta energia. Pergunte ao seu corpo se ele precisa de magnésio, cálcio, sais celulares, vitamina D, C ou B ou água. Sinta a resposta e aja de acordo.

A ansiedade pode ser um efeito colateral esmagador, assim como o sistema nervoso pode se sobrecarregar. Agora é a hora de utilizar tudo o que você aprendeu para se autocurar nesta jornada. O aterramento, um tempo gasto na natureza, banhos extras, exercícios, cristais, essências de florais, óleos essenciais e ervas como “Theanine Serene With Relora” podem fazer maravilhas.

Cuidar do corpo é muito útil, com reiki, acupuntura, massagem, cranio sacral, e outras modalidades podem ajudar a mover as energias bloqueadas. Se você sente que nenhuma destas formas estão ajudando, não hesite em consultar um médico holístico ou um homeopata de sua escolha. Meus guias me disseram muito claramente que se eu pensar que não preciso de ajuda de outros curandeiros é uma função do ego e do sistema de crença. Todas as coisas têm seu lugar em nossa jornada individual, devemos escolher através do nosso coração o que é melhor para nós.

Chame seus guias durante as sessões quando você precisar amplificar sua cura. Solicite assistência de seus guias da ascensão. Diga-lhes o que está ocorrendo dentro do seu corpo e dê permissão para ser ajudado de todas as maneiras. Compreenda que dar o consentimento total para ser ajudado, significa que será mostrado a você mais claramente alguma área em sua vida que não está em ressonância com quem você está se tornando.

Outra Extremidade do Espectro
No outro extremo do espectro, alguns estão se sentindo à vontade nas energias mais elevadas. As explosões de energia podem dar um impulso muito necessário. Anote as ideias criativas que fluem livremente no contato com estas energias. Veja quais ideias causam emoção. Estas são as pistas para as coisas em que você deve se concentrar. A informação também está fluindo facilmente. Agora, mais do que nunca, é imperativo ouvir e agir de acordo com sua própria intuição e orientação pessoal. A manifestação está se tornando mais rápida, mais visível. Alguns estão recebendo novas atribuições e/ou uma compreensão mais profunda das suas funções atuais. O trabalho, a contribuição para o todo está se tornando mais evidente, mais consciente.

Tudo isto é o processo de uma incorporação maior da alma e do corpo que está se tornando cristalino.

Compreendendo Sua forma Cristalina
Eu estava em sessão com uma cliente recentemente e ela estava perguntando sobre cristais e como poderia trabalhar melhor com eles para melhorar sua experiência. Seu guia disse que a coisa é mais profunda:

“Você é maior e melhor do que o cristal que possui”.

Eu pude sentir a importância da declaração e, nos próximos dias trabalhei com meus guias para entender a afirmação.

Nós ouvimos há anos que estamos passando de uma forma baseada em carbono para uma cristalina. É um processo lento, tão lento que nem sequer acreditamos que isto esteja acontecendo. No entanto, mais e mais pessoas estão começando a ver a luz emitida através da pele nos aparelhos com alta capacidade de ampliação. Muitos estão tendo sonhos que ajudam a confirmar o processo. Em um destes sonhos, minha coxa se abriu revelando uma estrutura cristalina azul e branca, como se eu estivesse olhando para uma caverna de cristais. Tudo é realmente emocionante, mas o que isto significa ?

Os cristais são detentores e transmissores de frequências, códigos (informações) e energias. Na Atlântida e Lemúria, os cristais foram usados para ajudar a manter os registros destas civilizações, mas também para manterem as frequências elevadas. Muitos se sentem em casa em um lugar que tem cristais, simplesmente porque eles aumentam a vibração do local fazendo com que uma pessoa tenha uma vibração mais alta e se sinta à vontade. Os cristais também podem ajudar a aumentar os códigos de vibração e desbloqueio dentro de sua forma física, ajudando a levá-lo ao próximo nível.

Então, o que vai acontecer quando você se tornar cristalino ?

Você vai se tornar o receptor, detentor e transmissor de frequências, códigos e energias elevadas. Quanto mais cristalino você se torna, mais você é responsável por sua própria realidade. Um ser que se torna cristalino pode ajudar a ativar outros a fortalecer seu processo de despertar. É realmente uma virada de jogo

Eles explicaram: “Quanto mais cristalino for, mais é capaz de decodificar as ativações e downloads que surgem. Isto ajuda na criação da sua realidade, o que inclui a sua saúde física. Como é possível criar modelos maiores que seguem a programação do criador, isto manterá uma saúde perfeita para o corpo humano. Quando isto acontecer, veremos mudanças rápidas na forma física”.

Perguntei-lhes qual a melhor forma de facilitar o processo e fui informada que é muito importante conversar com o corpo. Diga ao seu corpo o que está acontecendo e também afirme que é seu desejo se tornar tão cristalino quanto possível. A maneira como energizamos os cristais é exatamente como devemos nos energizar, com água, luz solar, luz da lua e praticando o aterramento na natureza.



Você não tem permissão para ver links. Regista te ou Entra
94
Assuntos Místicos Generalistas / Re: Não há Vida depois da Morte
« Última mensagem por Espirito em Novembro 10, 2017, 03:42:20 pm »
Boas,
Concordo na forma ( Xion ).

Ao ver este artigo que apenas faz referencia a um catedrático e a uma única Instituição, não poderá ter a força da ciência em geral.
Como é referido ( XION - Consciência ) ao qual definimos como Espírito na Doutrina  Espírita, não é material e não está sujeito às Leis da Física, também não sabemos em rigor qual a sua constituição uma vez que ainda não existe meios de comparação ou definição aqui na Terra para esse esclarecimento, sobre a constituição do Espírito.

A Instituição Académica em referencia se esqueceu de analisar as varias investigações já realizadas também por outras congéneres do seu próprio pais ( EUA )  que apresentam estudos verdadeiramente contrários, como é óbvio a ciência académica tem dificuldade em sair do sistema objectivo e entrar no subjectivo, pois só nesse campo conseguirá e neste momento encontrar as suas contradições em artigos como o que aqui lemos .

A ciência académica tem se esforçado tentar por compreender efectivamente esta questão da pré-existência da Alma, reencarnação e vida além da Morte, mas as suas próprias  limitações em reconhecer determinados factos e tomar uma decisão dando razão a questões já defendidas à alguns séculos por diversas pessoas ao longo da nossa existência.

Mas nada de pressa cada coisa a seu tempo, não será necessário impor nada, pois a força dos factos são a força da razão e chegará a altura em que não será possível deixar de admitir esses factos, acredito que nos próximos 50 anos teremos muitas novidades neste campo.

Espírito
95
Lendas & Tradições / Re: Lenda da Nossa Senhora da Lapa
« Última mensagem por Sky em Novembro 10, 2017, 02:09:24 pm »
Por incrível que pareça, estou perto e não conheço... espero em breve lá ir.
Há pessoas que têm receio de lá ir e não passar na pedra... lá está, cada um sabe o que faz, mas ainda assim há quem se "atreva".
Já ouvi muitas histórias e realmente desperta-me a curiosidade.  :)
96
Lendas & Tradições / Re: Lenda da Nossa Senhora da Lapa
« Última mensagem por Athena em Novembro 10, 2017, 01:55:29 pm »
Já lá estive e é muito interessante.
Reza a lenda que:
Só quem tem boa índole, consegue passar entre a pedra e a parede da gruta.
Quem faz mal aos outros, fica entalado na pedra.
É incrível que até uma grávida, em fim de tempo, consegue passar, eu mesma vi isso.
97
Jogos & Passatempos / Re: Jogo da Escolha
« Última mensagem por Sky em Novembro 10, 2017, 12:29:01 pm »
Carne

No trabalho musica ou silencio?
98
Lendas & Tradições / Lenda da Nossa Senhora da Lapa
« Última mensagem por Sky em Novembro 10, 2017, 12:21:07 pm »

A história da Lapa começa em 1493 com o aparecimento da imagem de Nossa Senhora debaixo de uma lapa, trazida para aquele local por religiosos que fugiam ao general mouro Al Mansor. A gruta onde a imagem foi descoberta possui uma pedra muito estreia por onde reza a tradição que todos passam, exceto quem tiver pecado grave. A lenda tomou proporções nacionais e, sem demoras, surgiram as primeiras construções naquele local.

Alguns anos mais tarde, e já sob a orientação dos jesuítas, foi construída a atual Igreja, que ficaria concluída no ano de 1635, no exato local onde a Pastorinha Joana descobriu a imagem de Nossa Senhora.

O Colégio, onde gente ilustre como o escritor Aquilino Ribeiro ingressou em 1895 para estudar gramática, latim, lógica e moral, começou a ser construído em finais do século XVI e é uma das obras maiores dos Jesuítas na Lapa, funcionando hoje como pousada do Santuário.

A preponderância da Lapa foi reconhecida também pela coroa que, em 1740 lhe conferiria o estatuto de Vila, que manteria durante 145 anos.

A Lapa é hoje Aldeia de Portugal.



LENDA DA PASTORINHA JOANA

Chamava-se Joana a pastorinha muda, de doze anos, que, enquanto guardava um pequeno rebanho de ovelhas, avistou, por entre as fendas de um penedo ou lapa, uma imagem de Nossa Senhora. Diz a história que Joana aproximou-se da imagem e, extasiada, permaneceu em oração por largo período de tempo. A pastorinha reparou, então, que as vestes da imagem se encontravam destruídas pela ação do tempo e pela humidade e decidiu erguer, naquele local, um altarzinho. Limpou a imagem, colocou flores em seu redor e não mais deixou de pensar no seu “tesouro”. No dia seguinte, Joana levou a imagem para casa na cestinha onde a mãe lhe enviava o farnel. A mãe, que não apreciava o facto de Joana perder tempo a fazer vestidinhos para a “boneca”, atirou-a ao lume. Desesperada, Joana, muda de nascença, gritou para a mãe: “Tá! Minha mãe! É Nossa Senhora da Lapa! Ai! Que fez?”. Diz a lenda que a imagem não se queimou, mas nesse preciso momento a mãe ficou com o braço paralisado. Arrependida do ato que acabara de cometer rezou com Joana e tudo voltou à normalidade. O pároco, conhecedor da história, pediu que a imagem fosse colocada na Igreja Matriz, para não ficar naquele ermo, só que a imagem desaparecia de lá e aparecia na gruta onde Joana a havia descoberto. Era lá que ela queria ser venerada, dizem.

Você não tem permissão para ver links. Regista te ou Entra
99
Chat Geral / Re: Será que estou louco ?
« Última mensagem por Athena em Novembro 10, 2017, 11:48:14 am »
Por isso, digo a todos e todas: Encontrem a pessoa certa e sejam felizes em todos os sentidos ... ;)
100
Assuntos Místicos Generalistas / Re: Não há Vida depois da Morte
« Última mensagem por xion em Novembro 10, 2017, 12:14:18 am »
O cérebro é constituído por matéria física e portanto está sujeito às leis da física. Porém, o cérebro não é a consciência.
A consciência não é constituída por matéria física e como tal, não se rege por leis físicas.

A ciência convencional não tem instrumentos de medida para medir o que não faz parte deste mundo físico. Em vez de reconhecer este facto, aventura hipóteses que estão erradas, tais como a natureza física da consciência. Pior: utiliza estas hipóteses como premissas para estudos.

Os estudos que partem de uma só premissa, conduzem a uma inferência.

Os estudos que partem de uma falsa premissa, conduzem a uma inferência errada.


Páginas: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 [10]